quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Os servidores municipais de Campos dos Goytacazes e o sequestro...

Interessante notar como a narrativa, ou melhor, a luta pelo monopólio da narrativa sequestra a verdade, espancando-a até que confesse o interesse de quem conta a versão dela, da qual, é claro,  melhor se aproveitará...

O movimento sindical sempre é vítima rotineira desse sequestro...

Afinal, a ideia de que trabalhadores arrecadem alguma noção de classe, e com esse sentido coletivo passem a reivindicar melhorias e ganhos é um dos entraves mais sensíveis da ordem capitalista...

É quando a oposição capital e trabalho inicia  sua manifestação pública e seus significados...

A luta anticapitalista não se encerra aí, mas quase sempre é aí que começa...

No campo sindical do funcionalismo público, apesar do fator produção de bens não ser a natureza da relação que vincula patrões (nesse caso, governos) e empregados, temos uma situação análoga...

Então, se no movimento sindical privado sempre há o discurso da mídia e dos patrões de que se trata de manifestações incitadas por interesses outros (a tese da "manipulação"), no setor público não é muito diferente, ou seja, o servidor que "ontem" era a "riqueza" da cidade e da administração, passa a ser inimigo quando quem era oposição passa a situação...

Foi assim quando as forças de segurança tentaram alguma mobilização há alguns anos atrás, e o establishment (a quadrilha do cabral) e a mídia martelaram que aqueles servidores eram controlados pelo ex-governador, o napoleão da lapa...

Já um pouco mais adiante, quando os patetas da lapa estavam no poder em Campos dos Goytacazes, o movimento sindical dos servidores era cantado e decantado pela latrina editorial que limpa as "cagadas" do atual prefeito como símbolo de heroísmo e civismo...

E temos que ser honestos: a política salarial dos patetas da lapa, se comparada com a atual (existe alguma?) é como colocar dois pratos à mesa dos servidores: um com um baita filé (com dois dedos de espessura e rare - mal passado) com batatas douradas no azeite, arroz de brócolis e salada de legumes e ervas finas e o outro com um baita monte de cocô...

Mas agora os servidores passarão, na tentativa da mídia escrota de capturar a mediação do movimento, a figurar tanto como "teleguiados" a "radicais"...

Antes, quando negociavam aumentos de 7, 8 10%, a mídia de coleira conclamava a esticar mais e mais a corda...
Hoje, com a naba enfiada nos rabos dos servidores, a mídia de esgoto pede-lhes paciência e diálogo...algo como: "vai mais lubrificante aí?"

Tomara que o SEPE tome vergonha na cara e se livre da Síndrome de Estocolmo (nome gentil que arrumei para pelegagem mesmo) que tem lhe acometido desde o início dessa palhaçada que insistem em chamar de governo...

Oxalá que os demais servidores afastem os provocadores que, com certeza, estarão na Assembleia de hoje...

E por fim, esperamos que os servidores demonstrem que não estão no cabresto de ninguém, ainda que cada servidor tenha, em um país democrático e no Estado de Direito, ter suas preferências políticas e eleitorais e partidárias, que devem ser manifestadas em oportunidades próprias, isto é, sem se misturarem com as reivindicações do funcionalismo...

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

rafael desdiz e o ponto biométrico: mais uma falácia do coronézinho da jaqueira...

O prefeito de Campos dos Goytacazes, ávido por copiar seu guru regional, o prefeito aluizio narciso de Macaé, anunciou que irá contratar uma empresa para instalar o ponto biométrico, uma espécie de coleira eletrônica pensada a partir de uma lógica liberal: empresa pública = empresa privada...

Desnecessário discorrer sobre as diferenças e naturezas específicas das relações de trabalho, da finalidade, etc, etc, etc e etc.

Boçais não entenderiam...

Então vamos pelo lado mais simples...

Ora, porra, se o Erário local já não aguenta com as obrigações que tem, como aumentar a despesa para dar conta daquilo que é papel das chefias (fiscalizar o cumprimento das tarefas e serviços)?

Para que esse exército de débeis mentais nomeados em confiança, se não fazem o básico?

Na cidade vizinha, o chamado ponto biométrico tem dado imensa dor de cabeça aos já espezinhados servidores de lá, com erros tão frequentes que já se desconfia que não se tratam de erros, mas de um nefasto modelo de gestão que faz um rodízio de desconto de faltas inexistentes, talvez para suprir a falta de recursos para fechar as folhas de pagamento...

Uma vez lançada a falta, cabe ao servidor mostrar que esteve no trabalho...Em Macaé temos diversos servidores com três, quatro faltas lançadas a cada mês, e que esperam o desfecho de longos processos administrativos para receberem de volta o que lhes foi retirado ilegalmente...

É preciso lembrar que na administração pública, orientada pelas premissas do Estado de Direito, não poderá ser invertido o ônus da prova...mas é o que acontece: primeiro desconta, depois vê quem está errado...

Nem é preciso repisar que máquinas são falíveis...


Vamos a outro ponto: os chamados pontos biométricos controlam entrada e saída, por óbvio, mas quem garante a permanência no local de trabalho e/ou que as tarefas sejam cumpridas?

Gestão pública é exemplo...antes de tudo...e esse (des) governo é uma lástima, para onde quer que se olhe...

É bom saber também se o prefeito, secretários, e todos os cupinchas do atual governo colocarão o dedinho no buraco...embora isso seja uma tremenda idiotice, porque como todo aparelho eletrônico ou digital, o acesso a modificações é franqueado aos escalões superiores...


O ponto biométrico é mais uma conversa fiada do atual prefeito para criar mais uma despesa e contratação de algum empresário-amigo...só isso...tendo como pano de fundo enrabar os servidores mais uma vez...

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Os servidores da Casa Grande e os servidores do eito...

A classificação hierárquica da força de trabalho não é invenção capitalista, e muito menos exclusividade do trabalhador assalariado...

Desde os tempos da escravidão, há uma intrincada e sofisticada rede ideológica de legitimação de deslegitimação de posições, conferindo ao mundo do trabalho diferentes olhares sobre si mesma, o que, via de regra, sempre serviu ao fracionamento dessas classes trabalhadoras frente ao inimigo comum...

Ideias como meritocracia, ou honra (todo trabalho é digno,embora ninguém explique porque alguns trabalhadores recebam remunerações indignas), profissões fundamentais e outras nem tanto, valorização excessiva dos chamados trabalhos intelectuais em detrimento daqueles nos quais prevalecem o trabalho físico, e por aí vamos...

Tudo com um claro objetivo, como dissemos, de criar não diferenças entre as formas de trabalho, que por óbvio, são diferente, mas de impedir que haja um senso comum a todos, ou seja, de que há alguém que os oprime...

No serviço público esse sintoma é ainda mais arraigado, uma vez que nas chamadas atividades-fim (saúde, educação, segurança, justiça, etc) não se destinam a produção de bens, tornando mais complexa a compreensão e classificação de classe, se considerarmos os ensinamentos marxianos...

Vários autores já se ocuparam dessa lacuna, e não cabe aqui discorrer sobre o tema...

Mas o certo é que senhores de escravos, por exemplo, criavam instâncias de recompensa ou de "acomodação" para mitigar com o uso da violência na gestão daqueles que consideravam "objetos humanos"...

Havia os escravos da casa, aqueles que eram escolhidos para o trabalho doméstico, e não raro recebiam até alguma educação formal, assim como "os de ganho", que tinham autorização de vender artigos fabricados pelas unidades produtivas dos senhores, sendo certo que alguns ficavam, autorizados pelos donos, com parte do lucro... 

Havia feitores, e capitães-do-mato selecionados entre os escravos...

E na base dessa cadeia hierárquica, os escravos de eito...ainda assim, mesmo dentro dessa categoria mais rasteira havia distinções baseadas em parâmetros como idade, força, capacidade produtiva e claro, obediência...

Essa longa tradição nos trouxe a Campos dos Goytacazes...

Estamos no meio de uma dramática mobilização dos servidores municipais, que no meu ver só terão alguma chance com uma pauta comum, unificada...

Porém, a decisão dos médicos em fracionar o movimento dos servidores municipais, negociando em separado é um sintoma claro dessa auto-referência distorcida, que usa como justificativa as peculiaridades do exercício da medicina, quando a situação imposta implica não em atender as particularidades de cada função, mas do laço único que une a todos os servidores da Saúde e por fim, do serviço público municipal...

O que os médicos buscam é uma forma de dizer ao sinhôzinho do melado que eles são diferentes, e como tais, merecem tratamento diferenciado (e condições privilegiadas)...

Aliás, essa cagada dos médicos como categoria (salvo raríssimas e honrosas exceções) nem é novidade, se olharmos os fatos recentes da História desse país, com arquétipos de josephs mengheles vomitando ódios, preconceitos e impropriedades pelas redes, tudo alimentado pelo recalque de quem imagina serem deuses (porque certeza mesmo, só juízes e promotores têm)...

Caberá aos servidores (do eito) criarem a resistência "quilombola" para enfrentar os desmandos do coronelzinho da jaqueira, deixando aos médicos o papel de "mucamas e pais Tomás da Casa Grande"...

Aliás, já usam até branco...


segunda-feira, 14 de agosto de 2017

UENF: as "narrativas circulares",porque "siamo tutti buonna genti"



Sem nenhum medo de errar, no mundo moderno e pós moderno, se tivermos que classificar as mazelas desse tempo, a mídia comercial vai estar entre os principais e piores cânceres que infestam os tecidos sociais...

Tanto que nesse mundo de bombas semióticas cotidianas, fica bem difícil divisar o meio e a mensagem, que acabam por se confundir em uma bizarra simbiose ideológica...

Vejam o caso dos EUA...a mídia comercial conservadora, portadora do discurso do establishment de lá, levou anos e anos fomentando o ódio, a idiotia, a manipulação, que legou aquele país mandatos como os de reagan, depois os bush (pai e filho), chegando ao seu ápice com trump...

Agora, a principal instância de divulgação do ódio aparece como carpideira do clima bélico no seio daquela sociedade não menos doentia...

No Brazil (assim, com "z" para dar conta de nossa condição de filial ideológica de lá), a mídia cumpre o mesmo papel, mas com efeitos mais nefastos, porque na periferia, os freios e contrapesos para minorar os estragos dos monopólios de mídia sequer existem...

Chamo esse fenômeno de "narrativas circulares"....

Vejam o caso da "guerra às drogas"...

A mídia se arma e arma a sociedade do discurso mais violento, excludente, racista e imbecil no tema, propagando preconceitos e platitudes que só alimentam uma sanguinolência sem fim, não sem permitir, como sempre, a prevalência dos interesses comerciais associados, sejam daqueles que vendem armas, veículos, aeronaves, sejam aqueles que veiculam as propagandas nos programas de notícias sensacionalistas...

Exacerbam o pânico e a histeria, depois reivindicam "paz ali", "paz aqui"...como se a histeria não fosse o motor do medo...e como se medo não fosse o dedo que aperta os gatilhos...

Em outra área, temos o caso do caos do Estado do Rio de Janeiro...

Fruto de políticas públicas de arrocho, depois da criminosa cumplicidade com setores financeiros e empresariais que sangraram (e sangram) os cofres públicos, o caos dos serviços públicos é mostrado todos os dias, como se a globo e seus cúmplices de outros canais não tivessem vocalizado os privilégios de cada setor envolvido nesses crimes contra o Erário...


A UENF, aqui no interior do Estado é um case interessante...

Não vou entrar em detalhes, até porque não é do nosso interesse dar repercussão a latrina editorial conservadora da cidade...

A "narrativa circular" desses boçais nos faria rir, se a situação da UENF não fosse crítica...

No entanto, ver o reitor daquela instituição ao lado da fotografia de deputados estaduais com base local como "defensores da Universidade" é de doer os olhos...Junto deles, um outro deputado, esse federal, condenado a mais de 12 anos por desvio de dinheiro público...

Como assim????

Esses deputados estaduais enterraram o Estado a serviço de pesão e do quadrilheiro picciani, venderam a CEDAE (a espera do "grupo português"), aprovaram cada chicotada dada pelo (des)governador a mando do mercado no lombo dos servidores, e agora posam de "preocupados"...justamente com os servidores e serviços que "mataram" com seus votos...

Nem vou mencionar a fotografia do prefeito local, ele mesmo um entusiasta da caça aos servidores e seus direitos...

Ver a foto desses signores como entristecidos pela queda da UENF é como assistir filmes de máfia italiana, quando o capo rival, mandante do assassinato, vai ao velório prestar homenagens ao finado...


quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Servidores municipais na encruzilhada: ou lutam...ou lutam!


Resultado de imagem para encruzilhada
Cada subtração ou abuso de direito que não gera indignação e reação, alimenta a sensação no opressor que pode abusar ainda mais...

Se quiserem um exemplo do que falo, os servidores municipais locais podem se espelhar nos funcionários do Estado do Rio de Janeiro, e aqui bem perto, na cidade vizinha de Macaé...

Começa com aquela conversa fiada de "só vou colocar a cabecinha", mas como pica não tem ombro, quando se dá conta, a naba está dentro até os bagos...

Os servidores municipais de Campos dos Goytacazes devem aproveitar o momento (raro) de coesão e partirem para cima da atual administração...

Uma comissão do movimento deve gastar sola de sapatos e comparecer às principais unidades administrativas, não se limitando aos contatos por plataformas de comunicação e redes sociais...

É olho no olho...

As paralisações devem, respeitando cada caso, estar acompanhadas de ocupação das unidades, e quem sabe até da sede da PMCG...

Governo coxinha só entende pressão, e quem espera por favores sem luta, não merece ter direitos...

A hora é agora...

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

rafael desdiz, a versão mini-mim do Dr Evil (aluizio narciso)...

Resultado de imagem para dr evil e mini mim

Sempre fui fã do Mike Myers, herdeiro da talentosíssima escola de humor britânico, que teve seu momento de ruptura com o Monthy Python, cujo legado foi visto com mais visibilidade no nome do imortal Peter Sellers e seu Inspetor Clouseau...


Por isso me socorro na imagem do filme da série do personagem Austin Powers, uma sátira gozadíssima do serviço secreto inglês e dos filmes da série 007 e outros, para representar o que acontece hoje em Campos dos Goytacazes e na região...

Quem olhar a administração local enxergará os traços do Dr Evil macaense nas ações do seu Mini-Mim, o rafaelzito...



Servidores municipais de Campos dos Goytacazes: preparem o brioco, lá vem naba!

Fiel ao estilo coxinha de (des)governar, o atual prefeito de Campos dos Goytacazes resolveu embarcar na onda e adotar o receituário (neo)liberal, sem menores pudores...

E como sempre, a geni é o servidor e os chamados "gastos públicos"...

Não vou entrar em detalhes de política econômica, até porque os boçais da atual administração não entenderiam uma só palavra do que teria a escrever sobre o erro catastrófico que é tentar curar o doente (o Erário) por inanição (recessão e retração dos investimentos públicos)...

Por óbvio sabemos que uma vez morto, não haverá mais doença, nem doente...

A questão é que até esse discurso do arrocho fiscal como saída para a tal crise (que sempre atinge os setores e interesses de forma seletiva) é MENTIROSO, como tudo nesse (des) governo municipal...

O triste espetáculo de ontem no reservado do prefeito (a câmara, assim, com letra minúscula, do tamanho de sua atual envergadura), quando foi autorizada a instalação de ponto biométrico, é só mais um ato nesse tragicomédia campista...

Claro que os animais de rabo da mídia, lacaios da atual administração correrão com o argumento (falso) de que os críticos da medida são favoráveis a esbórnia dos maus servidores...

Essa blá-blá-blá está sendo construído desde o quiproquó do vereador walter ego, ou vereador água sanitária com os servidores (ler aqui), e teve como desfecho uma blitzen "caça-fantasmas" do procurador que nunca acha...

O servidor aparece ora como equilibrista, andando no fio de arame, quando a rede de proteção foi retirada, ora como mágico, para se virar e transformar desrespeito e indignidade em bom atendimento...

Um verdadeiro circo, onde os contribuintes (nós) somos os palhaços...

Enquanto isso os ferozes leões e tigres da atual administração são, na verdade, mansos e domesticados pelos grupos empresariais amigos...

São essas demandas dos mais ricos que empurram a administração atual a celebrar por 4 milhões em seis meses, um contrato emergencial para manter um aeroporto que, em tempos de crise (como dizem os governistas) deveria ser a última das prioridades...

Ora porra, se a INFRAERO não quis essa merda, porque o contribuinte que teve sua passagem social alterada tem que pagar para manter essa "rodoviária de luxo"?????

Então tem grana para pousar aviãozinho e helicóptero dos "coroné e das madama", e foda-se a população mais pobre?

Eis aqui o extrato do contrato, com a justificativa criminosa de dispensa de licitação (artigo 24, IV da Lei 8666/96), sob a chantagem (mais uma vez) da "emergência"...Perguntamos, emergência para quem, caras-pálidas?



O outro embuste da vez é o ponto eletrônico...

Em Macaé, cidade (des)governada por outro tipo da mesma "espécie" do prefeito de Campos dosGoytacazes, o caos veio junto com as traquitanas pagas a peso de ouro...

Conheço no mínimo uns dez casos de servidores macaenses tungados em seus vencimentos por supostas faltas apontadas de forma errada pelo equipamento (vendido como infalível), que depois sofreram um calvário para reaver o dinheiro em processos administrativos longos e cansativos...

A julgar pela constância dos erros, o servidor macaense desconfia, não sem razão, que os "erros" são propositais, dentre outros motivos para punir os que não abaixam a cabeça...

É isso que vos aguarda, nobres servidores...

Realmente, os "artistas" do atual governo de Campos dos Goytacazes devem imaginar que nós, contribuintes e servidores somos todos imbecis...e talvez sejamos...

Vamos pagar uma fortuna para manter máquinas de ponto eletrônico que custam muito mais que os supostos prejuízos causados pelas supostas faltas dos servidores, que poderiam e DEVERIAM ser identificadas e descontadas pela FISCALIZAÇÃO DAS CHEFIAS (OS OCUPANTES DE CARGOS NOMEADOS POR ESSE DESGOVERNO)...

É servidor, é um pau no c* e dez rodeando...

terça-feira, 8 de agosto de 2017

rafael desdiz, o prefeito balão...

Resultado de imagem para imagens de balões clandestinos

Nenhum outro governo recente assumiu a tarefa de administrar com capital social e político tão coeso e de proporções tão grandes...

A gestão do atual prefeito de Campos dos Goytacazes recebeu mais de 6 em cada 10 votos válidos já no primeiro turno das últimas eleições, assim como teve desde assunção uma folgadíssima maioria de vereadores...

No campo da sociedade, jamais foi visto um esquema de propaganda midiática tão robusto para produzir consensos, mesmo que as custas, quase sempre, do sacrifício da verdade...

Por outro lado, nenhum governo caiu tão rápido, algo parecido com esses balões que sobem aos céus e logo depois caem para incendiar patrimônio e vegetação...

Daqui a pouco, os boçais que servem a latrina editorial que sustenta as mentiras da atual gestão dirão que os movimentos de servidores têm como causa a ação dos patetas da lapa...

Para falar a verdade, está até demorando...

É um truque clássico, mas que no caso nunca se aplicaria...

Se dentre mais de 6 campistas dentre 10 votaram no atual prefeito,é certo que essa proporção alcance também os servidores descontentes...portanto, seria uma tremenda e deslavadíssima mentira dizer que os servidores que até ontem comemoravam o fim da dinastia dos patetas da lapa tenham mudado de lado...

Claro que não...estão mesmo é com a trozoba da decepção enfiada nos seus fiofós crédulos...

Outro parâmetro, inclusive largamente utilizado pela equipe de propaganda do prefeito, são as chamadas redes sociais...

Tudo leva a crer que o esforço eleitoral, que consumiu milhares e milhares de reais para criar/manipular algorítimos e simular apoio virtual/digital ("onda verde"), não está sendo mais utilizado, e com isso, sumiram as "opiniões" de apoio ao prefeito...

O fato é que o rei está nu...

As desculpas da "herança maldita" perderam a validade...As promessas de gestão transparente e eficiente não resistem a um breve exame da realidade (não aquela inventada pelos lacaios da mídia)...


Contudo, é preciso respeitar a vontade das urnas...Então, podemos perguntar a mais de 60% da população de Campos dos Goytacazes:

Tomou?




quinta-feira, 3 de agosto de 2017

O silêncio dos indecentes...

Em nenhum momento da História desse país houve aquilo que os estudiosos costumam chamar de "tempestade perfeita", que nesse caso seria um levante popular generalizado contra o estamento que dá forma a esse arranjo permanente entre elites e setores médios que sempre manteve intacto um sistema de castas e privilégios, associado em escala global aos donos do capital internacional...

De certa forma, utilizando as categorias marxianas de análise, podemos dizer que nenhum país que experimentou esse evento revolucionário o fez dentro das premissas para superação da ordem capitalista, nos moldes clássicos da organização proletária em torno de uma vanguarda que orientava a massa de expropriados a assunção dos meios de produção...

Estudos recentes revelam que a Revolução de 1917 que deu origem a URSS se deu muito menos por intermédio dos bolcheviques e muito mais pela intensa provocação das forças conservadoras, que de forma violenta massacraram mulheres e crianças em protestos pacíficos contra a fome que grassava de cada canto daquele extenso país exaurido pela guerra...

Com a explosão popular, ruiu o governo provisório reformista, e aí assim, com raro senso de oportunidade e organização, os bolcheviques fizeram história...

Então, fico olhando cientistas políticos e sociais reclamando do "silêncio" da maioria da população, como se nosso país e sua sociedade tivessem em seu histórico várias ocasiões de levantes contra as elites...

Ora, minha gente, esse silêncio explica porque somos o que somos, em como uma relação de causa e efeito recíproca: nossa passividade gera mais desigualdade e mais desigualdade gera mais passividade...

A população brasileira foi "treinada" por anos e anos a entender os conflitos como ruins em si, ensinada como cães a buscar beijar a mão de quem lhe explora, e nunca mordê-la...

O máximo de transgressão que lhes é permitido é votar, desde que o resultado não contrarie as elites e seus sócios...

E quando há um resultado que contrarie tais interesses, golpes...e quando o golpe parece não dar certo, e a população insiste em trazer de volta dos personagens caçados e cassados por sua fidelidade aos anseios da maioria, temos mais golpes dentro de golpes...

O trabalho político de semeadura de adesão a uma solução drástica é lento, muito mais amplo e profundo que a pantomima encenada em horários eleitorais sazonalmente...

A verdade, nua e crua, que se toda a população, ou grande parte dela, resolvesse chutar o balde, nenhum partido de esquerda estaria suficientemente preparado para dirigir-se às massas e dirigir essas massas...

Esquecemos como fazer isso, caímos na armadilha da formalidade...


Por outro lado, há o silêncio dos indecentes...aqueles que foram às ruas porque diziam acreditar na luta pela corrupção...

Mentira...nunca acreditaram nessa hipótese...

Se assim fosse, estariam de novo a gritar contra o golpista-chefe da quadrilha...

O único objetivo daqueles que estiveram a vociferar ódio nas ruas foi cumprido: derrotar o PT, sem que para isso fosse necessário ganhar uma eleição...mudar as regras do jogo em andamento...

O silêncio deles não é perplexidade ou vergonha...

É medido e calculado...

O argumento para o sumiço das ruas e o apoio àqueles que mantiveram o canalha no poder esclarece tudo: antes a estabilidade do golpe que o retorno da normalidade ruidosa da Democracia...


quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Brasil Urgente: aluízio presidente!

Resultado de imagem para charges com a chevron


Esse blog, no afã de afagar o ego do líder mais inteligente da História de Macaé, lança a campanha para ontem:

ALUÍZIO PARA PRESIDENTE...

DA CHEVRON, mas se não der, serve uma vice-presidência de garoto de recados...

Fica aí (em cima) a sugestão para comunicação visual da empreitada...

aluízio, o narciso...e mais um acordo caracu...

Interessado apenas em fazer decolar seus delírios (o que não quer dizer que não possam ser realizados) de ser governador, o prefeito de Macaé, a outrora Princesinha do Atlântico, hoje mais para A Meretriz do Atlântico, vai levar uma "jenial" proposta a ANP, com intuito de reduzir a cota de royalties devidos pelas empresas exploradoras aos municípios...

Eu nem tenho palavras para diagnosticar esse rapaz...é caso patológico ou é um criminoso mesmo?

Tenho que me conter para não vociferar os mais cabeludos palavrões...

Também não vou cair na armadilha de que todo esse empenho do moço possa ser "compensado" pelas empresas beneficiadas com "apoio" aos seus delírios eleitorais...

Vamos fazer de conta de que nada disso seria possível, e bem possível...

Como é que um prefeito, sabedor de que a atividade empresarial traz um considerável aumento de demandas de serviços públicos, sobrecarregando o já enfraquecido Erário, coloca na mesa um ideia para reduzir sua capacidade de enfrentar tais problemas?

Como é que um lunático, que vem cortando ilegalmente os direitos de servidores e deixando a míngua seus hospitais públicos, por exemplo, diz que poderá abrir mão de receitas?

Claro que o leitor nunca ouvirá ou lerá que recentemente faltou soro fisiológico no Hospital Público de Macaé, que foi suprido pela Unimed local...também não ouvirá dizer que faltou elementos de anestésicos, que impediu por horas o atendimento ao setor de trauma (pacientes mais graves, geralmente, vítimas de acidentes e violência) naquele hospital, e que a falta foi novamente suprida pela rede particular...

A mídia de aluguel está sempre a postos para mostrar um gestor preocupado com "empregos"...

Não, nunca diremos que parte desse "desconto" dos royalties pode acabar nas contas de propaganda oficial tocadas pelas agências de publicidade, como forma de lavagem de apoio$$$ e cobrança de alguma corretagem...isso não é coisa de inglês ou de alemão, nunca acontece por aqui, diga-se em alto e bom som!

Puta que pariu, puta que pariu...vão ser cretinos assim lá em Washington...

A causa da falta de insumos básicos no Hospital Público de Macaé e em toda rede? 

Falta de recursos e atrasos com os fornecedores, que se negam a manter o suprimento sem o pagamento das dívidas pendentes...

E no meio de tudo isso, o narciso de Macaé diz que prescindirá de 5% dos royalties...


Faz algum sentido?

Não, a não ser que consideremos algumas das premissas que colocamos lá em cima...Mas eu repito e juro: nada do que disse é mais do que loucura da minha cabeça doente...afinal, estamos tratando com "gente de bem"...

É o clube mundial dos "jênios jestores": trump, o idiota/ temer, o usurpador/ doria, o fascista/ aluízio narciso e rafael desdiz...

Timaço...se unidos, dominariam essa galáxia fácil, fácil...

terça-feira, 1 de agosto de 2017

rafael diniz, ou o Manual do Pequeno Déspota do Caos...

Não há como negar...Uma boa parte dos eleitores que sufragaram o nome do atual prefeito nas urnas o fez com boas intenções...

Claro, delas o inferno está cheio, mas ironias à parte, o fato é que o atual alcaide, assim como todo vencedor, é fruto de uma bem arranjada estratégia de marketing...

Isso é óbvio, e não há nada demais em propagar uma mensagem, símbolos, significados...

Política é essencialmente isso: dar significados às escolhas e legitimar essas escolhas dentro de um espectro mais amplo possível, ainda que se trate de temas específicos...

Nesse sentido, boa parte das crises políticas advêm do descolamento da expectativa gerada e a realidade...

Aqui nenhuma outra novidade: todo mandatário ou grupo político enfrenta atritos e desgastes provocados pela incidência da "realidade" sobre o seu capital imaginário...

Poderíamos, grosso modo dizer, que a Política é sempre precária e assim tem que ser, porque a estabilidade completa ou algo próximo dela só acontece com a supressão das vontades de tantos outros grupos e interesses adversários, naquilo que conhecemos como regimes autoritários...

Por outro lado, a completa corrosão do eixo simbólico de um governo ou administração frente ao seu capital simbólico não é resultado de uma intensa atividade democrática, como pretendem os "ideólogos da crise", mas sim causa e efeito daquilo que chamamos de Ditadura do Caos...

Na atual conjuntura da cidade, parece que nada mais faz sentido, senão vejamos:

Tivemos um governo eleito para "dar o exemplo" de moralidade, e é justamente o contrário...

Tivemos um governo eleito sob a chancela da "competência"...nada feito...

Tivemos um governo eleito para trazer mais bem estar a população mais pobre, a partir da melhoria dos programas sociais e do modelo de gestão...bem...o que dizer?

Temos um governo de orientação "liberal", em tese e por princípio, contrário a tarifaços e aumentos de impostos...e vem por aí a batida na carteira dos contribuintes, e claro, sempre com carga maior sobre os mais pobres...

Nos últimos dias, nada mais conseguiu dar contornos a distopia que vivemos do que a assunção pela municipalidade da administração do aeroporto...

Ninguém em sã consciência dirá que uma cidade de porte médio como a nossa prescinde de um modal dessa natureza, mas o fato é que no meio de uma crise alardeada como dramática, não faz o menor sentido o Erário local, cuja maioria dos contribuintes NUNCA andará de avião ou terá algum bem ou serviço oriundo daquele local, bancar um "luxo desses"...

É o retrato da nossa "elite" caipira e canhestra...

É um quadro perfeito...

A cidade na merda, mas o prefeito fazendo média com a classe "mérdia" e os ricos que andam de avião...

Como todo regime, a Ditadura do Caos tem grupos de interesse e beneficiados...

E aquilo que parece sem sentido, tem sentido certo:

A moralidade é um truque, uma cortina de fumaça para esconder que a sacanagem tem que ficar restrita aos andares de cima ou "entre amigos"...lembra a farsa-jato, psdb, globo, e etc? 

Pois é...é o mesmo modus operandi...

A tal da competência ou rigor "técnico" nada mais são que outro embuste...afastam o centro das decisões das instâncias de controle democrático, por que, afinal, quem discute com a "ciência"?

E por fim, cada foiçada nos programas sociais sempre vem acompanhada das mais nobres justificativas ou, no nosso caso, na tragédia iminente...

Tudo isso para justificar o injustificável: que a conta recaia sobre os ombros dos mais pobres, enquanto aumentam as benesses aos mais ricos...

A Ditadura do Caos (ou da herança maldita), como toda ditadura, não aceita dissensos ou críticas e se (auto) alimenta da total alienação de qualquer forma de verdade...

Se nas disputas políticas normais a verdade pode assumir várias formas sólidas, de acordo com o referencial de cada grupo interessado em que a sua visão seja a mais universal possível, na Ditadura do Caos a verdade perde essa natureza "sólida", e passa a ser percebida como um líquido, um fluído que escorre pelas mãos da sociedade, deixando a impressão permanente de não há referência concreta possível...

Em outras palavras, se no jogo político normal a relatividade é um ingrediente, um meio para tentar a construção de novas verdade, na Ditadura do Caos a relatividade é um fim em si, como se nada mais fosse palpável, ainda que com formas distintas das quais imaginamos enxergar ou queiramos enxergar...

Imagine a seguinte cena: cidadãos imersos em uma piscina de águas límpidas, onde se tem a (falsa) impressão de que vemos nitidamente tudo ao nosso redor, e de verdade, podemos até tocar uns nos outros e nas coisas, podemos nos mover, etc...

Mas todos estão com o tempo contado (pela ausência de ar), veem embaçado, os gestos são demorados e retardados pela ação do empuxo da água, os sons não se propagam, ou seja, embora haja aparência, a realidade não é a mesma...

Bem, isso se consideramos que estamos submersos em água...há gente que imagina que estamos atolados na merda...

É mais ou menos isso...




quarta-feira, 26 de julho de 2017

Onde está Wally?

Bem, Wally eu não sei, mas o prefake da cidade já tem destino certo...

Trabalhar na PMCG? Porra nenhuma, vai de novo para...para...? Isso, ganhou um pote de melado quem respondeu Brasília...

Se dependermos dos resultados das idas do menino do melado a capital federal, e levando-se em conta a sua "influência", é melhor a gente pagar uma viagem para Miami, quem sabe ele compra umas muambas para vender e ajudar o Erário?

Sim, porque desde que começou a juntar milhas no seu programa de fidelidade (alô, mp, favor verificar se o alcaide está auferindo vantagens com o dinheiro público que paga as passagens), a cidade de Campos dos Goytacazes só levou enrabada atrás de enrabada vindas de Brasília...

A principal foi da CEF...

Dói os olhos ler a baboseira que enche a pauta da latrina editorial que lhe serve como papel higiênico...

A gestão do prefake parece um amontoado de factoides criados para suprir a total falta de aptidão para o cargo, e aí tomem "parcerias com a Academia"...

Claro, que como argumento base a falácia de sempre: a busca de convencer os idiotas de que a "tecnocracia acadêmica" irá pairar acima dos conflitos de classe e luta política...

Do outro lado, vossas doutoridades que adoram um caraminguá abanam o rabinho farejando a possibilidade de dourar currículos com algum ganho pecuniário, rsrsrs...

rsrsrs, puta que nos pariu...que merda!

E no meio da maior crise, o contribuinte pagando turismo oficial...brincadeira...

Lanço aqui a campanha: rafael para governador de Brasília 2018...

terça-feira, 25 de julho de 2017

Porto do Açu: o império contra-ataca...

Não satisfeita com a desgraça que trouxe a comunidade do V Distrito de São João da Barra, e de ter escapado quando seus principais "parceiros", e até então BFF ("best friends forever", na linguagem adolescente), cabral e mister x (eike batista), estão de "férias" em Bangu, a prefeita de SJB começou nova temporada de subserviência e babação de ovo explícita aos donos do capital...

Agora é o pessoal da Holanda, que veio terminar o que não conseguiram no século XVII...Como não temos mais índios ferozes, o trabalho vai ser mais fácil, pois a prefeita atual adora uma miçangas e espelhinhos...e quem sabe, umas garrafas de gim, bebida típica local...

Tudo, como manda o figurino, festejado pelos cretinos da mídia de aluguel, que também já esqueceram as peripécias de cabral e eike, e claro, o sofrimento do pessoal do V Distrito...

Em breve, vamos ver novamente os sabujos de coleira vociferarem contra aqueles ousarem resistir a essa investida sobre o território local, com adjetivos que vinculam qualquer voz dissidente com "atraso"...

O "desenvolvimento" afia as garras...

Eu penso cá com meus botões...esse pessoal só aprende mesmo na tranca dura...

Já que temos precedentes, é bom o pessoal do mp e de outros órgãos fiscalizadores manterem o ouvido limpo e olhos bem abertos, porque negociatas podem estar em curso, como da outra vez...

Depois não adianta dizer que nada sabiam...

Em tempo, cara prefeita: chega de acordo caracu (nada a ver com bebida alcoólica, entendam bem!)...

Timaço...

A folha de limpar as cagadas do prefeito juntou um "timaço" para dar pitacos sobre o caso CEF x PMCG:

Dentre os deputados estaduais que aprovaram a venda da CEDAE e com o arrocho dos servidores públicos para tapar o rombo causado pela quadrilha de cabral  & Cia (incluído aí seu vice e atual governador), está gente mais "fina":

Um condenado a mais de 12 anos na sanguessuga pelo stf, um condenado por estupro, e o "melhor prefeito da História de Campos dos Goytacazes", aquele da telhado de vidro...

O ataque está completo: dois forwards, right e left wings, e um center-forward...

O vereador sprite...





Não se revoltem servidores públicos e pessoas de (algum) bom senso...

Preparem-se: o perfil de pessoas como o "ínclito" vereador não é mais uma exceção exótica da vida pública...

Eles são a atual regra, o establishment ou a vitória do senso comum...

Poderíamos dizer que representam a banalização das banalidades...

Um cara com razoável aparência e pouco cérebro, mas com um instinto de sobrevivência e auto-estima capazes de fazer a forma valer muito mais que qualquer conteúdo...

Para usar uma metáfora, um "espera maré", ou oportunista de boas maneiras...

O discurso onde ele ataca servidores públicos não é novidade nesse país, historicamente falando, e nos dias de hoje está up to date, como diriam as (os) "colonistas" que vivem às voltas com esses tipos, como moscas rodeando um monte de bosta...

O que fez o cretino do (des)governador pezão (o padrinho do atual prefake) com os servidores?

O que tem feito o canalha golpista que usurpou a presidência com os direitos sociais de trabalhadores e servidores?

Aqui ao lado, na cidade vizinha de Macaé, o ego-prefeito faz a mesmíssima coisa, jogando nas costas dos servidores todas as culpas pelas suas administrações que favorecem ricos e empresários e cobram a conta de todos os demais...

Não se assustem, o moço hoje é maioria, e se inspira em idiotas bem sucedidos como dória, trump, macron e assemelhados...

Claro que há aqueles mais elaborados intelectualmente e outros nem tanto (como já dissemos ser o caso do proto-advogado, dublê de professor e vereador)...

Isso não importa...

Nada importa...

Sede não é nada, imagem é tudo...

Pobre filho da desembargadora...

Vejam bem, leiam com atenção: ESSE BLOG É SEMPRE PELO PRINCÍPIO DA NÃO-CULPABILIDADE, COMINADO AO PRINCÍPIO DA MENOR INTERVENÇÃO PENAL, ou seja, se possível, até que se prove a culpa, A REGRA É LIBERDADE...

O problema é que essa regra só vale para rico ou para pessoas influentes...

A libertação em sede de habeas corpus é um chute no saco, uma cusparada, um tapa na cara de todos os policiais e da sociedade classe mérdia sádica que vibram quando "os agentes da lei" entram em uma favela para sacudir e esculachar traficantes pobres e pretos, na maioria das vezes, com quantidades de entorpecentes bem mais modestas que os 129 kg encontrados com o filhinho da madame-dotôra...

É mais um caso para juntar na nossa tragicomédia chamada "guerra às drogas"...

E tem "puliça" que se veste de preto, pinta a cara para guerra e sobe o morro "amarradão", segurando as bolas e cantando: 

"this my rifle, this my gun, this for fight and this for fun" 
(como na cena do filme Full Metal Jacket, de Stanley Kubrick)....

Pois é, pois é, caros amigos...

129 kg de maconha e munição para fuzil...

Com certeza Vossas Excelências creem que o moço é um usuário contumaz e com muitos amigos, e que as munições estavam com ele para serem entregues a autoridade mais próxima...

Enquanto houver dúvida, livre-se solto o rapaz, branco e bem nascido...

E tomem "reuniões no Planalto", forças nacionais, recursos, compras estatais, repressão, mortes de policiais, de inocentes ou não...


Somos, definitivamente, um bando de imbecis...

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Aos vencedores, às batatas...

O prefake, seus rábulas, e a mídia que lhe serve como papel de bunda passaram o fim de semana tentando aumentar a cortina de fumaça sobre a embaralhada questão "jurídica" na qual se meteram...

Sabemos há muito tempo, e hoje mais que nunca, que o judiciário brasileiro, além de ser o mais caro e ineficiente (ou seletivamente eficiente?), sofre também de outra patologia incompatível com a judicância: protagonismo legislativo e militância política...

São ingredientes de uma péssima mistura, onde funcionários públicos cedem vergonhosamente às chamadas pressões populares e os ditames rasos do senso comum, onde o resultado alcançado não é mais sequer um simulacro de Justiça, mas injustiça mesmo, com nome e sobrenome de autoritarismo!

Só isso explica a "decisão" do desembargador do trf em relação ao embargo de declaração proposto pela PMCG em face de decisão recente que acolhia o pleito da CEF em relação à cessão de crédito contratada na gestão anterior...

Repetimos: a cessão de crédito para CEF foi sim um péssimo negócio, mas a intervenção será bem pior, como a emenda e o soneto...

O juiz do trf encaminhou, a meu ver, a questão para um ponto de não retorno: se considerarmos agora o que ele disse ao se desdizer o que teremos é: contrato nulo, e consequentemente, devolução dos 500 e poucos milhões, com retorno da situação anterior, ou seja, mantém-se a dívida de 194 milhões abatida, e claro, devolução da CEF daquilo que ela já recolheu...

Ou seja, o caos elevado a potência exponencial...

O que mais estranho é o fato do juiz ter dado uma decisão clara, objetiva e límpida quando acatou as razões da CEF, e depois, para "esclarecer" os pontos obscuros da decisão (é essa função dos embargos), acabou por contrariar aquilo que disse, reformando uma decisão que apenas deveria explicitar ou tornar mais clara, e tudo isso com uma contra-decisão confusa, extensa...Como assim???

Uma decisão típica de "rolando lero" (*)...

Vale dizer de novo: embargo de declaração não reforma decisão, apenas torna claro aquilo que parece não dito e/ou confuso...

Isso tudo depois de um encontro com uma das partes interessadas...

Até aí estaria tudo bem, mas será que ele convidou a outra parte para ser ouvida em despacho antes de proferir a contra-decisão?


Bem, no fundo, no fundo, bem lá no fundo, o que o atual prefake, seus jagunços jurídicos e seus jornalistas de coleira pretendem é:

- manter a cantilena da "venda do futuro", mas aproveitar a grana que já entrou, e tentar enrolar a CEF com esses entulhos judiciais...

Porque, caso contrário, se discordam mesmo de tudo, desdes os termos do contrato até o uso da grana, ok, devolvam tudo e cancelem o pacto...


E fica a pergunta final: se a vossa excelência judicial disse em letras garrafais que o prefake deveria responder por improbidade e apropriação indébita, e agora desdisse o que disse, seria o caso de responder por infração administrativa e/ou por calúnia em relação ao prefake?

Como um juiz indica em sua decisão um suposto comportamento criminoso e improbo, que deveria ter repercutido em esfera ministerial, e depois diz que não é nada daquilo que disse?

Uai, se ninguém responder por nada do que diz (o juiz de um lado, se estiver revendo o que disse) ou pelo que fez (o prefake, de o juiz estava correto na primeira decisão) vai ficar cada vez mais nítida uma relação de compadrio que não é correta quando se tratam de instituições, Erário e o futuro da cidade...


Campos dos Goytacazes: a casa da mãe joana...